Prive Contos Eróticos - Tudo Começou no Chuveiro Prive Contos Eróticos - Tudo Começou no Chuveiro
Home / Prive Contos Eróticos / Prive Contos Eróticos – Tudo Começou no Chuveiro

Prive Contos Eróticos – Tudo Começou no Chuveiro

Tudo começou com uma viagem para o interior de Minas…

 tenho um amigo alguns anos mais velho que eu e sempre que podemos viajamos juntos. Fomos para um cidade que tínhamos alguns esquemas por lá. Meu amigo conhecia praticamente todas as mulheres safadas daquela pequena cidade. Saímos de Belo Horizonte esperando no mínimo uma troca de casais na pousada em que reservamos um quarto.

A cidade estava em festa devido a uma comemoração local, porém observamos que o movimento nesse ano estava bem menor que o dos anos anteriores. Poucas mulheres “fáceis” e confusão pra todo lado. Nossos esquemas com as meninas de lá foram por água abaixo. Para superar um pouco do descontentamento de ter viajado para longe sem aproveitar nada resolvemos encher a cara num dos bares copo-sujo da cidade. Bebemos bastante e ficamos lá conversando um tempão, prometendo que nunca mais iríamos estragar uma viagem por causa de mulheres. E assim foi até que começou a chover muito forte no centro da cidade e resolvemos correr de volta pra pousada, que ficava a poucos quarteirões do bar.

Com as roupas totalmente molhadas e bastante alcoolizados resolvemos tomar um banho quente em plena madrugada. Nessa pousada não haviam suítes. Eram apenas banheiros coletivos em cada andar. Como já era bem tarde, corremos para o banheiro e trancamos a porta para ninguém nos incomodar. Cada um tirou a roupa molhada e correu para o primeiro chuveiro reservado na frente sem nem olhar para o lado. Os chuveiros eram separados por divisórias mas não tinham portas. Depois de alguns minutos debaixo da água quente meu chuveiro parou de funcionar e tive que procurar outro. O chuveiro ao lado também não deu sinais de vida. Quando percebi isso, gritei para meu amigo e falei que teríamos que revezar no mesmo chuveiro. Ele respondeu que não tinha problema algum e que eu podia ir pra lá.
Quando eu cheguei em frente ao chuveiro no qual estava meu amigo estava eu fiquei paralisado… o pau dele era muito grande, mesmo mole. Era um pênis lindo, o formato era muito parecido com o meu, bastante grosso e com a cabeça consideravelmente maior que o corpo. Eu simplesmente não conseguia parar de olhar, mas ele parecia não estar ligando nem um pouco. Revezamos algumas vezes na água quente sem nos encostarmos até que ele criou coragem e falou: “cara, você tá olhando demais… pode pegar pra ver, não tem problema não”. Eu bastante tímido, mesmo sob o efeito do álcool, fui em direção a ele bem devagar e peguei bem de levinho e falei: “que estranho… é bom de passar a mão, é uma textura diferente, não é a mesma coisa de pegar no seu próprio”. Punhetei um pouquinho e rapidamente já estava duríssimo na minha mão. Era um pouquinho só maior que o meu, talvez por ser mais retinho. Meu amigo estava com uma expressão de muito tesão até que do nada ele pediu para parar e saiu do chuveiro. Achei que ia rolar uma bad ali… mas ele só pediu pra eu ficar debaixo da água quente também. Logo depois ele voltou e disse.: “ahn.. quer saber… quero pegar também”. Quando ele encostou no meu pau debaixo daquela água tão gostosa meu tesão simplesmente foi para as alturas. Naquela hora vi que minhas curiosidades de como seria com outro cara finalmente iam dar em alguma coisa. Ele punhetou com vontade e rapidamente tive que pedir para parar. Eu sou 9 anos mais novo que ele, não conseguia segurar por muito tempo. Ficamos revezando mais um tempo e comecei a perceber que ele também já não aguentava mais ficar sem gozar. Nesse meio tempo não conseguia parar de pensar na idéia de experimentar como seria aquele membro na minha boca. Se com a mão era tão legal, imagina com a língua? Vi que não podia demorar muito, caso contrário ele ia gozar e a festa ia acabar com certeza. Porém, minha timidez não me deixou agir tão rápido com o plano do boquete. Quando era a vez dele de ficar debaixo da água quente e ser punhetado, passei a ficar um pouquinho mais ousado e me encostar mais nele. Quando ele estava indo para o chuveiro tirar o xampu dos cabelos percebi que não dava mais para esperar. Enquanto ele tirava o xampu dos olhos eu me abaixei e abocanhei aquele volume todo. A sensação foi muito melhor do que eu pensava, a pele macia, o gosto ligeiramente salgado de pré-gozo… pena que acabou muito rápido. Quando o pênis encostou na minha garganta imediatamente veio um jato fortíssimo de porra. Para minha sorte, a forte água do chuveiro varreu aquela coisa gosmenta e de gosto duvidoso da minha boca.
Logo depois saímos do chuveiro e eu fiquei morrendo de medo de rolar alguma bad, justamente pelo fato dele nunca ter demonstrado nenhuma tendência bi ou homo, assim como eu. Tanto ele como eu já tínhamos passado por diversas namoradas e até já tínhamos saído juntos várias vezes em Belo Horizonte. De fato, ficou um clima um pouquinho estranho até nos deitarmos. Quando estava lá tentando dormir (eu não tinha gozado) com mil pensamentos na cabeça, meu amigo quebrou o gelo e falou: “cara, que sorte a minha que você é mais corajoso que eu… quer saber, fodas… curti muito, acho que agora a gente não vai mais ficar na lama por causa de mulher”. Foi ali que eu tive a certeza que as próximas viagens juntos trariam muitas surpresas…

Mundo Mais

 


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*