Home / Prive Contos Eróticos / Prive Contos Eróticos – 23 cm de “Perfeição” e Prazer

Prive Contos Eróticos – 23 cm de “Perfeição” e Prazer


Um certo final de semana, eu acordei meio atacado, morrendo de tesão e não consegui evitar a masturbação e o gozo logo pela manhã. Na tarde deste mesmo dia, fui navegar na internet e me deu vontade de ver alguma página de garotos de programa, a princípio, somente por curiosidade mesmo, pois eu nunca havia me imaginado saindo com um. Eu sempre me achei especial e bonito para ceder a um “negócio” por sexo, mal sabendo que estava prestes a derrubar este conceito e a descobrir que as coisas não eram bem assim.

Foi só digitar as palavras no Google para me deparar com uma infinidade de sites de “acompanhantes”. Resolvi checar alguns dos endereços e ver o que era mostrado. Vi que alguns têm o conteúdo liberado, fornecendo fotos, emails e celulares de contato. Mesmo pela breve descrição, alguns chegavam a ser excitantes, pois davam asas à imaginação.
Por reserva ou falta de entusiasmo, eu ainda não tinha permitido que outro cara me penetrasse pra valer, ou seja, não havia recebido estocadas ou feito movimentos ousados, e, com um desconhecido, tudo parecia mais fácil. Eu poderia finalmente saber o que era dar para um macho sem sentir vergonha depois, pois ele não saberia nada a meu respeito e eu não precisaria vê-lo mais após a transa. Foi aí que pensei na praticidade que poderia ser pagar alguém para sexo.

Assim, a ideia foi ficando cada vez mais forte.
Fiquei pensando por alguns dias se teria coragem de sair com um garoto de programa, mas eu não tinha nem idéia de como encontrar um, pois não achava fácil ligar para os caras do anúncio e combinar uma transa. Achei que não saberia conversar com um cara nessas circunstâncias. Não vou em sauna, não gosto de boate e nem ando com meu carro pelos lugares que chamam de guetos.
Durante a semana, pensei um pouco mais sério a respeito e decidi voltar a olhar os sites no próximo final de semana. Desta vez, eu fui direto nos anúncios. Quatro me interessaram. Alguns eram bem diretos e chegavam a excitar devido à descrição bem ousada, embora meio disfarçada. Passou pela minha cabeça ligar só para ouvir quem atendia. Fiquei gelado ao pegar o telefone e senti que minhas mãos tremiam. Fiquei até com raiva de mim mesmo por ser tão medroso. Hesitei um pouco, pensei e coloquei o celular em cima da cama. Nem me lembro o que se passava na minha cabeça, mas eu queria colocar as coisas no lugar.

Peguei de novo o telefone e teclei o número de um dos anúncios. Fui atendido por um rapaz de voz jovem, suave e descontraída. Só pelo alô eu percebi muita coisa positiva.
Falei que era sobre o anúncio no site e ele “profissionalmente” passou-me os detalhes, repetindo alguns que já estavam na página: moreno claro, 25 anos, 1,85m, 80 kg, cabelos castanhos, ativo, carinhoso e sacana. Finalizou com o “sacana” com certa ênfase e isso me deu um pouco de tesão. Eu não sabia o que dizer e ele perguntou se não era o meu tipo, respondi que sim e perguntei o valor. Ele falou naturalmente e acrescentou mais uma informação: “calibre 23 cm”. Para mim, que nunca tinha sido “completamente” comido, aquilo pareceu um estrondo. Eu não iria dar conta, mas, ainda assim, pensei em como seria gostoso pegar num pauzão grande e duro. O cara percebeu minha ansiedade e falou que eu podia ficar tranqüilo, pois ele, além de boa gente, atendia em um lugar extremamente discreto. Agradeci e disse que ligava mais tarde para confirmar. Ele disse que, caso eu me decidisse, ligasse um pouco antes para ele tomar um banho e se preparar. Concordei e desliguei o fone.

Parti para outras ligações. Atendeu um cara com voz bem sedutora e eu, mais seguro após a primeira ligação, falei que era sobre o anúncio e eu estava interessado. Com a voz rouca e masculina, mas com um desagradável tom de desdém, o cara passou sua ficha: loiro, olhos castanhos, 30 anos, sarado, peito forte, coxas grossas, 1,78m, 78 kg, safado, 19 cm, macho, viril, dominador. Fiquei excitado mais uma vez e quase não consegui falar. Ele, sem eu perguntar, já foi dizendo o preço e disse que se eu estivesse a fim que ligasse confirmando meia hora antes e já parecia querer desligar o telefone. Eu agradeci e disse que ligava mais tarde.

Ele falou um ok e desligou.
Fiquei um pouco desapontado e lembrei do tipo “técnico” descrito num blog gay, muito bom sobre o universo gay, que eu gosto de acompanhar. Fui para o próximo: mulato sacana, 1,72, 69 kg, cavanhaque, cara de safado, malhado, pernas grossas, 23 anos, másculo, bem dotado, safado. Havia a promessa de realizar todas as fantasias do cliente. Liguei e atendeu um cara com voz de sono e disse que o dono do anúncio estava no banho, mas que eu poderia “agendar” com ele mesmo. Achei aquilo desanimador. Agradeci e desliguei rapidamente.

O quarto pareceu-me uma graça e a descrição era bem tentadora: rapaz bacana, corpo definido, peludinho, 1,68 m, 62 quilos, cabelos pretos, pele clara e muito tarado na cama, 26 anos. Liguei e atendeu um cara com voz calma e delicada. Conversamos um pouco e ele foi me contando coisas que eu nem imaginava que se falasse num telefonema para tal fim. Havia chegado recentemente à capital e estava precisando de grana. Falou-me que era um cara de família e que estava fazendo por dinheiro, mas que adorava ficar com outros caras. Topava ser ativo e passivo, sempre usando camisinha, e ainda deu detalhes do pau: 16 cm, grosso e cabeçudo, do tipo que, quando fica duro, fica rígido pra valer e demora a abaixar. Começou a elogiar minha voz e perguntou se eu era menor de idade, pois meu jeito era de adolescente. Quis saber se era minha primeira vez e se eu já tinha feito ativo e passivo. Achei que o papo estava se prolongando muito e que havia algo não muito certo naquilo. Eu não queria criar vínculos com alguém que, eu só pretendia transar. Interrompi o bate-papo e disse que ligaria depois, conforme minha decisão. Ele agradeceu gentilmente e disse que aguardaria contato.
Por fim, depois de quatro ligações, eu já não sabia se devia retornar para algum. Era uma escolha num rol de possíveis ilusões. Indeciso, deitei a cabeça no travesseiro e dormi por uma hora e meia. Acordei excitado e pensei nas conversas que havia tido. Eu precisava me livrar daquela curiosidade e saciar aquele desejo. Mesmo sem ter certeza da melhor opção, resolvi ligar para o primeiro.
Ele atendeu e saudou meu retorno, dizendo ter ficado esperando. E eu acreditei (#momentoboboiludido). Perguntei os detalhes e ele me passou tudo. Marcamos o horário e lá fui eu me aprontar. Tomei um banho caprichado, lavei o cabelo e fiz a barba. Tirei uma roupa nova do embrulho e me arrumei como se estivesse indo para um encontro importante.
Na garagem, antes de sair com o carro, olhei-me pelo retrovisor interno e achei-me bonito. Ainda havia um certo medo, mas eu não ia voltar atrás.
Nem me lembro o que pensei no caminho. Cheguei ao local, estacionei em uma rua próxima e lá fui eu procurar o prédio. Era um prédio bacana e de aparência familiar. Toquei o interfone que foi prontamente atendido. Era a mesma voz do telefone, perguntando quem era. Falei o nome que eu tinha dado e ele destravou a entrava. Ao pegar o elevador, pensei em voltar. Sim, decidi voltar. Aquilo não estava certo. Mas havia outro lado que me obrigava a ir.
Fui até a porta e percebi que ela já estava destrancada e semi-aberta, mas eu não tive coragem de entrar. Fiquei esperando até a porta se abrir por completo.
_ Podia entrar, eu deixei a porta aberta pra isso. _ disse o cara que abriu. Era ele. Aquela mesma voz gentil. Mas o cara não era quem eu imaginei. Não era bonito e nem sexy. Era um carinha comum que passa na rua e a gente pode até não olhar.
_ Eu não sabia se podia. _ foi a coisa que eu falei.
_ Claro que podia. Por favor, entre. _ Eu entrei e a gente se cumprimentou com um forte aperto de mão. Ofereceu-me a poltrona para que eu me sentasse, mas eu disse que preferia fica em pé. Era um belo apartamento. Sala ampla e boa decoração.
Ele vestia roupa social que não combinava muito com seu jeito e estava de banho tomado, barba bem feita e usava um perfume muito agradável. Eu estava me sentindo gelado de tão nervoso e mal sabia o que dizer. O cara perguntou se eu queria água e eu aceitei. Nem lembrei daquelas histórias de cuidados com o que se bebe com esse tipo de gente.
Enquanto eu bebia a água, ele fez a pergunta que, naquele momento, parecia óbvia.
_ É a sua primeira vez, não é mesmo?
_ Sim… quero dizer… quase. Eu já fiquei com alguns caras, mas nunca com um… _ não soube como completar.
_ Entendo. _ disse ele com um sorriso agradável. _ Vamos para o quarto. _ pegou o copo de minha mão, colocou na mesa de centro e conduziu-me apartamento adentro. Corredor longo e vários quartos. Fiquei com medo, imaginando o que acontecia nos outros.
Chegamos no amplo quarto com cama de casal, ar condicionado, TV LED de 32 polegadas, blu-ray, dvd, frigo-bar, ou seja, um quase quarto de motel.
Ele pediu que eu me sentasse na cama, dizendo que eu podia tirar os sapatos e o cinto para ficar mais confortável. Fizemos isso e ficamos um de frente para o outro. Ele era um tipo legal. Moreno, alto, cativante e simples. Apesar dos 2 anos, seu olhar era de um menino que descobria o mundo, cabelos pretos, meio crespos e grossos e uma boca grande com lábios carnudos. Tinha o corpo legal, mas não era sarado. Pelos braços e pela camisa um pouco aberta, pude perceber que ele não era peludo. Fiquei um pouco decepcionado, pois queria realizar minha fantasia com um cara peludinho, pois é o tipo que me atrai bastante.
Começamos a conversar e ele me falou me falou sua vida. Era um cara simples que mentia pra família sobre seu emprego. Dizia que trabalhava na biblioteca de uma faculdade e que estava ajuntando dinheiro para comprar um apartamento. Seu pais eram do interior e nem sonhavam que ele ganhava a vida fazendo programas. Ele fazia com mulheres, casais e homens. Sem eu nada perguntar, ele me disse que preferia fazer com homem, pois era muito mais gostoso.
_ Comer cu de homem, sabe, dá muito tesão! _ Disse ele com um leve sorriso.
Fiquei imaginando se o esquema era esse mesmo, se tinha de rolar conversa prévia. Acreditava piamante que não. Pensei que essas coisas só acontecem comigo mesmo. Eu estava diante de um cara legal, mas, conhecendo-o naquela situação, era melhor que a gente não ficasse batendo papo como amigos.
Resolvi falar que eu nunca tinha feito sexo pra valer, talvez, penso eu, para que ele soubesse como agir comigo ou para provocá-lo. Acho que eu queria as duas coisas.
Ele sorriu e disse que tentaria fazer com cuidado, mas não seria uma tarefa muito fácil para mim. Indaguei qual a razão e ele me disse que era muito quente na cama e que seu “dote” era muito avantajado. Aquilo me excitou e eu me envergonhei de estar ficando duro.
Ele sorriu e disse algo que até hoje vem à minha mente:
_ Cara… vai ser tão difícil… _ Ele baixou os olhos, pensou um pouco e voltou a me encarar, dizendo: _ Você não vai acreditar.
_ O que foi? _ eu já fiquei cheio de receios.
_ Você é a cara do meu irmão. Estou até sem jeito de te olhar. _ como eu fiquei sem reação, ele completou: _ Mas não se preocupe. Vai ser tudo como combinamos.
Conversamos demais. Acho que passou-se meia hora só de conversa. Acredito que ele estava tentando me relaxar. Durante o papo, ele colocou um filme pornográfico da famosa produtora Falcon. Ao colocar o DVD, ele me falou que era tarado pelo mundo pornográfico gay, pois adorava tudo: filmes, fotos de internet e contos eróticos. Falou-me de endereços de fotos, filmes e contos que ele adorava ler. Disse que gostava dos relatos de sexo da internet, onde os caras soltavam as fantasias e contavam coisas ousadas. Falou-me que tinha grande material e acessava a rede só para este fim. Contou-me que adorava acessar um site que, por coincidência, também é um dos meus favoritos. Apesar do entusiasmo com o pornô virtual, ele frisou que gostava muito mais do sexo na real.
_ Eu gosto de fazer sexo bem safado, com putaria, entende? _ ele me falou aquilo e ficou meio tímido quando viu que eu não sabia o que responder._ Bem, mas eu só faço isso se os caras pedirem, pois também sei transar normal.
Sim, ele usou essa palavra: normal.
_ E o que você prefere? _ perguntei.
_ Sexo sacana. _ respondeu sem hesitar.
Não me lembro como, mas a conversa foi para outro rumo e passamos a falar de coisas do dia a dia, como trabalho, lazer e lugares para sair. Nesse momento, eu achei que não ia mais rolar transa. Que eu deveria pagar e dar o fora. Não que aquilo estivesse me desagradando, mas seria o fim eu ficar apaixonado por aquele cara.
Era muito estranho estar vendo cenas tão quentes e falando de assuntos corriqueiros. Ele me falou de seus problemas e de sua vontade de ser feliz. Disse que era amigo da maioria dos caras que pagavam para ele comê-los (ele falou desta forma dura mesmo, mas sem intenção de ofender) e que, seu eu quisesse, poderia ligar pra ele à vontade, para conversar e trocar idéias.
Depois de toda essa conversa, ele olhou para baixo e, meio tímido, aproximou-se de mim, olhou-me nos olhos e disse:
_ Vamos lá, né? _ É. O jogo ia começar. Concordei com um gesto e ele pousou as mãos em meus ombros.
Não houve aproximação gradativa, ele já foi me beijando intensamente, profundamente, molhadamente. Tinha medo de que não houvesse beijo, pois é uma coisa que, além de importante, eu faço com muita vontade. Seu hálito era agradável e tinha sabor de listerine. A princípio não correspondi, mas depois, diante de tanta sagacidade, eu me entreguei àquele beijo voraz. Ele sugava minha língua, enfiava a dele dentro da minha boca, fazia movimentos audazes e gostosos. Fomos deitando na cama e ele ficou por cima de mim. Suas mãos deslizavam-se pelo meu corpo e eu sentia todo o calor que vinha dele.
Abraçando-me e beijando meu pescoço, começou a abrir minha camisa. Enfiou a mão e iniciou uma deliciosa carícia em meu peito.
_ Estava louco para ver como era. _ disse ele, sorrindo como um garoto. _ Por baixo já dava pra perceber que você é um peitudinho. _ Terminou de falar e dirigiu sua boca para um de meus mamilos.
Dei sinais de prazer e ele percebeu que ali era uma região muito sensível. Terminou de tirar minha camisa e foi com sua boca carnuda explorar o local onde revelei gostar de ser tocado. Ele beijou meu peito e começou a passar a língua de leve em toda região. Apertou um dos mamilos com as mãos e o outro ele passou a sugar vorazmente. Não resisti e gemi bastante, sendo que essa dica foi aproveitada ao máximo por ele. Nunca tinha sido sugado daquela forma. Ele começou a mordiscar e trocar de lado. Eu gemi mais alto e ele passou a morder e apertar mais. Como estava gostoso! Eu estava me entregando.
Depois de muitas carícias, ele parou um instante e se levantou da cama. O cara tirou a camisa e revelou que tinha um peito que não era muito próximo do tipo que eu gostava. Não era saliente, não era largo e nem tinha pelos, mas era legal. Debruçou sobre mim, abriu minha calça e a puxou para baixo, deixando-me só de cueca. Ele viu que eu estava excitado e pareceu ter gostado. Ele tirou sua calça e eu vi que ele usava uma sunga cavada que revelava um grande volume endurecido.
Deitou-se ao meu lado e voltou a me beijar na boca de forma “apaixonada”. Pegou uma de minhas mãos e pousou sobre o grande volume na sua sunga. Foi aí que me dei conta da grossura do bicho. Foi muito legal sentir aquele pau duríssimo. É gosto estar com um cara que fica de pau duro com facilidade. Fiquei acariciando o pau dele por cima da sunga até resolver enfiar a mão lá dentro. Era um grande pau, grosso, cabeçudo, reto e que ficava hiper duro. Ele mesmo foi abaixando a sunga até tira-la por completo. Seu avantajado pau saltou pra fora duro e imponente. Devia ter mesmo os 23 cm e era bem grosso. Pronto: eu estava deitado numa cama de casal com um rapaz de 25 anos, safado, pelado e de pau super duro. Era o fato.
Ele sentou-se na cama e puxou-me para ele, conduzindo minha cabeça em direção a seu pau. Eu ainda estava um pouco constrangido quando tomei aquele enorme membro em minhas mãos. Segurei aquilo por alguns instantes e admirei a rigidez e o tamanho. Passei a mão em seu saco e até achei estranho, pois era um saco muito grande e as bolas ficavam até distantes. Depois de acaricia-lo no saco, aproximei-me e abocanhei o pauzão rígido, começando com uma boa sugada na cabeçona. Ele demonstrou adorar ser chupado, pois encostou-se no travesseiro que estava na cabeceira da cama e começou a gemer intensamente. Naquele momento, pensei que aquilo fazia parte do “show”. Fui tomando gosto pela coisa e entusiasmei-me, passando a chupá-lo com mais vontade. Passava minha língua por todo tronco, sugava intensamente a cabeça e engolia o máximo que podia daquele pau. Ele disse que eu sabia chupar muito gostoso. E olhem que eu nem tinha tanta prática assim. Em alguns momentos, eu fiz um gostoso vai e vem, chupando e punhetando aquele pauzão.
Após muita chupada, ouvindo muitos gemidos dele, passei a beijar a sua barriga e fui mordiscar seu peito. Suguei-os com avidez e ele se contorceu na cama. Puxou-me pelos cabelos para si e voltou a me beijar na boca com tenacidade, apertando meu pau duro que ainda estava guardado dentro da cueca.
_ Grosso, hein?! _ disse isso sorrindo e voltou a me beijar. Eu, todo encabulado, não conseguia falar como ele fazia.
Em seguida, ele colocou-me deitado de bruços e baixou minha cueca, tirando-a e deixando-me completamente pelado. Ele soltou uma exclamação:
_ Hmmm! Você tem um bundão! _ disse isso, dando-me um firme tapa na minha bunda e apalpando-a com força._ Gosto de caras que tem a bunda redonda e peludinha como a sua. Me dá mais tesão_ ele disse isso com um sorriso e um jeito tímido difícil de acreditar. Mesmo não tendo certeza de que era verdade, eu gostei de ouvir aquilo, assim como tinha gostado de levar o tapa na bunda.
Ainda segurando minha bunda, ele começou a beijar minha nuca, o que me fez sentir um arrepio incrível. Foi descendo a língua, percorrendo minhas costas até chegar na bunda. Também pensando que era “seu lado profissional”, não dei muita confiança quando ele voltou a dizer que eu tinha a bunda muito gostosa. Apertou-a com vontade para depois ficar abrindo-a e fechando-a com as mãos. Chegou um momento em que ele abriu minhas pernas e levantou um pouco meu quadril para facilitar a sua intenção. Fui à nuvens quando ele me deu uma linguada. Adorei sentir aquele cara voraz tocando meu cu com a ponta da língua que mexia feito um vibrador. Eu não esperava por aquilo e sentia que ele o fazia porque gostava. Procurei aproveitar ao máximo aquela sensação. Depois de muito lamber, ele passou a penetrar-me com aquela língua quente e molhada. Eu gemia e arrebitava mais a bunda pra ele.
Num determinado momento, ele passou a enfiar o dedo e a chupar rápida e alternadamente.
_ Delícia! Você tem pregas de um virgem! _ Disse isto e começou a morder as pregas do meu cu. Estava doendo um pouco, mas aquilo estava me deixando louco. Ele sugava, mordia as beiradas e enfiava a língua selvagemente, apalpando-me e dando até uns tapas na minha bunda. Eu estava sendo possuído pela língua quente e forte dele. O garoto socava a língua até o fundo e procurava sentir o máximo possível daquele momento. Ele ficou me fudendo com a língua por um bom tempo e terminou dando uma grande chupada no meu cu.
Balbuciou alguma coisa que não cheguei a ouvir e levantou-se da cama. Foi até um canto do quarto e abriu a gaveta de uma cômoda. Pegou um tubo de lubrificante e uma camisinha. Tudo pronto, ele perguntou como eu queria ser possuído. Excitado e envergonhado, eu nada respondi e permaneci deitado de bruços.
Ele chegou mais perto e aproximou o cacete grande de minha boca. Num impulso, eu o tomei nas mãos e voltei e engoli-lo. Ele colocou o lubrificante e a camisinha (ainda guardada na embalagem) em cima do criado-mudo e segurou minha cabeça com suas mãos. Ele gostava mesmo de ser chupado. Começou a fazer um vai-vem para que o pauzão entrasse e saísse de minha boca. Estava muito gostoso sugá-lo, embora um pouco difícil.
_ Engole tudo. _ disse ele já segurando minha nuca e forçando o pau pra dentro.
Eu já estava salivando bastante e a baba escorria pela minha boca e pelo pauzão dele. Ele pressionava mais e meus olhos começaram a lacrimejar. Senti que ele queria enfiar tudo, ele queria aquela super pica grossa entrando fundo na minha boca. Quando senti aquela cabeçona encostando na minha gargante, engasguei e tive de tirar o pau rapidamente. Tossi forte e exausto, babando completamente engasgado.
_ Puta merda! _ disse ele. _ Adoro ver um cara engasgando na minha vara!
Não satisfeito. Segurou de novo minha cabeça e me fez engolir a pica de novo. Chupei bastante e deixei bem molhado, tentando agradá-lo ao máximo. Ele delirava e gemia com minha gula.
Depois de uma chupada caprichada (pensei até que tinha virado um profissional do oral), ele tirou o pauzão da minha boca e foi até o criado-mudo pegar a camisinha e o lubrificante.
Vê-lo rasgar a camisinha e encapar aquele pauzão também foi uma imagem bastante forte. Ele fazia tudo com muita prática. Seu pau era realmente grande e a camisinha não chegava a cobrir toda aquela ferramenta. Abriu o tubo e lambuzou o cacetão.
_ Tem certeza que quer fazer sua estréia com um destes. _ disse ele com um sorriso sacana, mostrando orgulhoso seu pistolão endurecido. Era uma imagem excitante vê-lo de pé com aquela vara empinada e olhando pra mim.
Sorri um pouco sem graça e ele voltou a se sentar na cama. Passou o lubrificante nas pregas do meu cu, enfiando o dedo lá dentro, e depois besuntou o seu pauzão com o produto. Deitou por cima de mim, abriu minha bunda e mirou seu pau na entrada, encostando aquela enorme cabeça na portinha do cu.
_ Você nunca deu mesmo? _ perguntou em voz baixa.
_ Não… não da forma que pretendo dar hoje.
_ Só enfiaram a cabeça?
_ Sim, mas não houve movimentos. Só uma meia colocada.
_ Certo. Se doer você fala.
Queria que ele fosse gentil, mas não era preciso ficar cheio de cerimônias. Queria um macho safado, mas não tinha a coragem de dizer isso.
Ele começou a forçar a entrada sem sucesso.
_ Cara… você é apertado mesmo! _ falou isso ao ver o esforço que seria necessário para me penetrar.
Quando a cabeça foi entrando, fui sentindo o início de uma dor. Ele forçou mais, procurando se equilibrar na cama. Precisou de uma das mãos para ajudar o pauzão a entrar, mas foi aí que a coisa começou a ficar complicada. Estava doendo muito e eu tive de pedir para ele parar.
_ Eu acho que não vai dar.
_ Procure relaxar, pense que eu estou muito a fim de te enrabar gostoso. E é verdade.
_ Estou tentando.
O cara enfiou um pouco mais e eu não consegui conter um gemido de dor.
_ Puta merda! _ disse ele, naturalmente. _ Você é virgem, cara! Está apertado pra caralho! Mas você não me escapa. _ disse isso e riu.
Aquilo me deixou um pouco mais excitado e eu procurei relaxar, mas ainda não tinha entrado nem a metade. Quando ele foi mais afoito e enfiou um pouco mais, eu dei um grito e fiz um movimento que o pau dele saiu de dentro de meu cu, fazendo-me sentir uma dor maior.
_ Cara… desculpa mesmo, mas não vai dar.
_ Fica de lado, acho que vai ser mais fácil.
_ Mas está doendo muito.
_ Espera, vou pegar mais lubrificante. _ disse isso e já estendeu o braço para pegar o tubo, enchendo a mão do produto. Passou bastante por todo pau e no meu cu.
Colocou-me deitado de lado, ficando por trás e se encaixando na posição de conchinha.Eu queria muito vê-lo naquela ação, mas deitado de lado e ele atrás de mim não era uma posição que pudéssemos nos olhar.
Ele estava bem afoito, suado e o pauzão permanecia duraço. Era um tipo que, mesmo por outro interesse, gostava bem do que fazia.
Mirou e já deu uma forçada mais enérgica, fazendo entrar boa parte do pau.
_ Faz o seguinte _ disse ele. _ Presta atenção. Sente o pau, pressiona com o cu e solta, vou enfiar mais um pouco, aí você aperta com o cu e solta, eu vou entrar mais um pouquinho e você faz o que te falei de novo, ok?
Eu concordei e me preparei. Ele enfiava um pouco e eu forçava. Continuava doendo, mas o pau estava indo. Ele puxou meu quadril e enfiou um pouco mais.
_ Comprime, cara, comprime.
_ Ok. _ eu já estava ofegante e sentindo-me bem invadido.
_ Morde meu pau com seu cu. Aperta mais, aperta mais, anda!
Eu apertei o pau dele com meu cu e ele forçou um pouco mais.
_ Agora solta, relaxa e sente. Fica quieto que eu também vou ficar.
_ Ok.
_ Tá relaxado? Está querendo relaxar? Esta a fim de levar?
_ Estou…
_ Então toma! _ ele disse isso e enfiou um pouco mais do que eu imaginava.
Eu gritei e me afastei de novo, tirando o cacetão de dento do meu cu. Gritei mais ainda porque a pica saiu rasgando e queimando meu cu.
_ Ok. Fica de bruços! _ Foi a primeira vez que percebi um tom menos compreensivo nele. Aquilo soou como uma ordem.
Eu deitei de bruços e ele deitou sobre mim de um só vez. Foi algo gostoso sentir o corpo dele se amoldando ao meu. Ele ergueu um pouco o quadril e encaixou a cabeçona de seu pau na entrada de meu cuzinho. Desta forma, ele foi forçando e entrando com o pau. Meus gemidos foram ficando mais fortes e ele enfiava mais e mais.
_ Lembra do que eu falei. Aperta e solta, aperta e solta. Vamos lá, seu puto, você consegue. _ Aquilo, em outras circunstâncias, seria uma ofensa, mas foi gostoso ouvi-lo me xingando. Nele, que era um cara educado, a coisa ficava forte.
A dor estava sendo quase insuportável e eu não estava gostando daquilo, pois queria muito ceder e não me via conseguindo.
_ Cara… estou até suado de tanto fazer força, mas que cuzinho gostoso e apertado. _ disse isso também com jeito safado.
Com mais um grito meu de dor, ele retirou o pau e rapidamente começou a lamber as minhas costas. Ele percorria aquela língua quente e úmida por toda extensão, fazendo-me sentir uma sensação muito gostosa. Quando dei sinais de estar gostando, ele enfiou a mão por baixo do meu corpo para se certificar de como estava meu pau. Quando viu que ele estava muito duro, partiu de novo para o ataque.
Encostou a cabeçona na entradinha de meu cu e ficou pincelando, esfregando, provocando. Depois, acertou o pauzão e meteu mais do que nas outras tentativas. Foi dolorido, mas procurei resistir, pensei que eu deveria colaborar, já que ele estava sendo paciente. Ele foi enfiando e enfiando. Senti a respiração ofegante dele na minha nuca. O pauzão estava passando da metade e eu gemendo feito um doido.
Ele virou-se, puxando-me junto, de forma que a gente ficou deitado novamente de lado e ele atrás de mim. Começou a forçar mais o pau e eu senti que a dor tinha melhorado. Coloquei a mão para trás, procurando pegar no pauzão dele que estava enfiado no meu cu para ver quanto ainda estava de fora. Ainda faltava um pouco, mas parece que 19 cm dos 23 cm do cacetão já estava lá dentro. Ele arremeteu e eu dei um grito de dor, pedindo para parar. Ele falou que ia com mais calma. Ficou se movimentando atrás de mim, mas sem dar estocadas. Pegou meu pau e começou a me mastubar. Puxou minha cabeça para trás e lascou um beijo em minha boca.
Enquanto enfiava a língua na minha boca, ele se atreveu a dar uma arremetida. Gritei de dor e fiquei com raiva de mim por não conseguir relaxar.
_ Esse seu perfume é tão bom… _ ele disse isto e saiu de trás de mim. Levantou-se da cama e retirou a camisinha, jogando-a no chão. Eu fiquei sem saber como agir.
_ O que foi? _ perguntei.
_ Eu queria te arregaçar, mas acho que você não dá conta. _ Disse colocando as mãos na cintura e abrindo as pernas. O pauzão continuava em riste.
_ Então me deixa chupar mais o seu pau. _ disse eu, meio sem graça por estar sendo um cliente tão cheio de frescuras.
Ele gostou da proposta e sorriu. Já foi se aproximando e enfiando o pau na minha boca. Não me fiz de bobo, visto que percebi que ele tinha gostado do meu jeito de chupar. Ele só tirou um instante o pau da minha boca para se deitar na cama. Deitou de costas e me mostrou o pauzão pronto para ser mamado. Caí de boa naquela tora dura. Chupei com muita avidez e suguei o máximo que podia. Engoli o pauzão e fiz muito vai-e-vem. Ele começou a gemer fortemente, fechando os olhos e balançando a cabeça de um lado para o outro. Tentei engolir ao máximo a ponto de engasgar para que ele gostasse como no outro momento.
_ Ai… Calma! _ pediu ele. _ Vou acabar gozando…
E eu que pensei que garotos de programa tinham controle da transa.
Ele voltou a ativa e me deitou na cama, abrindo minhas pernas e já direcionando o pauzão pra entrada do meu cu. Vi que ele queria me comer na posição de frango assado.
Ficou me provocando, esfregando a cabeçona do pau por toda extensão e forçando de leve. Senti um certo medo, pois ele não estava com a camisinha. Ainda bem que durou pouco, ele inclinou-se para o lado e abriu a gaveta para pegar outra camisinha e o lubrificante.
Rapidamente, encapou a vara duríssima, que apontava para frente como uma arma, e besuntou com o produto gelado. Novamente, foi legal vê-lo colocar a camisinha e passar o gel, pois ele aplicava o produto no pauzão como se estivesse se masturbando. E estava… Ele estava muito animal.
Depois daquele “show”, ele olhou para mim de jeito sacana e dirigiu sua mão besuntada para meu cu. Eu estava deitado de costas com as pernas escancaradas, mostrando-me para aquele macho como se eu fosse um vadio. Ele enfiou o dedo em mim e ficou massageando, ao mesmo tempo que aplicava o gel. Eu estava louco de vontade para ser comido.
Terminado, a gente se enlaçou e beijou muito. Sua boca estava quente e seu corpo um fogo tremendo. Era gostosa a maneira que ele tinha de deixar seu corpo cair sobre o meu.
Senti que ele estava ansioso e até um pouco descontrolado. Encaixou o pau na entrada do meu cu e foi forçando. Começou a doer e eu gemi.
_ Relaxa, cara. Vou meter gostoso.
O pau foi entrando e eu tentava relaxar, mas a dor continuava.
Eu falava seqüentes “ai”, mas ele dava rápidas paradas e depois continuava enfiando. Todo suado, eu percebi que ele parou. Ainda doía muito e parecia que eu estava completamente preenchido. Senti que ele, finalmente, já tinha enfiado praticamente tudo, pois seu sacão já estava encostado na minha bunda. Pensei que se ele se movesse, eu morreria, pois não estava fácil. Ele beijou meu ombro, lambeu minha orelha e virou meu rosto para ele. Sua língua enfiou na minha boca e se movia como um vibrador. Ele suspirava intensamente.
Quando comecei a corresponder ao beijo, ele começou a se mexer dentro de mim. Doía e eu pedia para ele ir devagar, mas ele continuava. Foi puxando meu corpo e se movendo até ficar sentado na cama e me deixar no colo dele, com minhas pernas enlaçada em sua cintura.
De um momento para outro, ele abocanhou meu mamilo e mordeu. Mordeu com força e eu gritei de dor. Ele mordia mesmo e puxava, sem dó. Nos movimentos enlouquecidos que eu dei, o pauzão foi me invadindo ainda mais, e eu senti que já estava com aquele mastro atolado no meu cu.
Eu não entendi bem o que era aquela ação cruel, mas eu fiquei louco de dor e tesão. A mordida no mamilo e a enterrada no pau eram dores que se completavam, que atenuavam uma a outra, que me invadia, que me violava, que me fazia queimar de tesão. Ele mordia meu peito com mais força e puxava. No movimento de tentar escapar (ou não) eu sentava ainda mais no pau e mexia o quadril. Era uma louca cavalgada. Eu gritava e rebolava com o pau enterrado no meu cu.
Ele levantava meu quadril e me forçava a subir e descer. Cheio de dor e enloquecido, eu cavalguei feito um doido, quase morrendo de tanto gritar. Como estava gostoso.
_ Isso, isso, deixa a fêmea se soltar, deixa a puta sair de dentro de você.
Eu nem tive tempo de elaborar aquilo que ele estava falando. Eu estava me sentindo uma puta mesmo.
Ele me tirou de cima dele, retirando o pau de uma vez, o que me fez sentir uma dor enorme.
Eu gritei e ele me jogou na cama, e depois me colocou de quatro. Puxou-me pela cintura, erguendo meu quadril.
Ele me deu um forte tapa na minha bunda e eu me assustei. Fiquei parado e ele me deu outro. Apesar da vergonha, mexi o quadril e ele soltou um sonoro “isso!”. Deu-me outro tapa na bunda e disse que queria muito me foder gostoso.
Encostou o pauzão na entrada e meteu de uma vez. Ele me estourou o cu e, novamente, eu gritei alto, tentando fugir, mas ele me segurou firme pelo quadril. Percebi que ele não estava para brincadeiras. Achei que ia acabar apanhando.
Ficamos parados por poucos segundos.
_ Mexe, putinha! Rebola para o teu macho! _ a voz dele parecia de outro cara.
Comecei a me mexer forçando o pau dele dentro do meu cu. Então ele começou a tirar o pau aos poucos e a dor ia aumentando. Parecia que ele ia tirar tudo, mas quando percebi que só tinha a cabeça enfiada, ele socou tudo de uma vez. Eu dei um grito e cheguei a ter uma lágrima derramada. Ele segurou-me pelo quadril e começou a meter. Ele enfiava tudo e tirava para socar tudo de novo. Inicialmente, foi firme e devagar, depois ele começou a acelerar. Era a primeira vez que eu era enrabado daquela forma.
_ Puta merda! Caralho! Te comer é gostoso demais!
Os gemidos dele passaram a me encher de tesão e eu, parecendo um puto safado, comecei a rebolar e a entrar no ritmo dele. O garoto de programa se entusiasmou e passou a bombar de forma bem sacana, fazendo uns gingados e socando como nos filmes pornôs. Nunca me imaginaria daquela forma e nunca pensei que fosse tão gostoso.
Ele metia pra valer! Cada vez mais acelerado, ele estava me fazendo só dele, ele estava me possuindo mesmo, tirando-me do mundo, arrombando-me, invadindo-me. Eu já não raciocinava direito. Queria mesmo levar aquela vara no cu, rebolava muito e gemia adoidado.
Ele me arregaçava com o pauzão e dava fortes tapas na minha bunda. A cada tapa, eu rebolava querendo mais pica, mais palmadas, mais do meu macho.
_ Isso, fêmea! É disso que você gosta, sua putinha fresca! Vadia! Vagabunda!
Eu gritava, gemia, chorava e me entregava todo enquanto ele socava furiosamente. Num momento de intenso prazer, ele parou por alguns segundos e respirou ofegantemente. Fiquei imaginando o que estaria preparando, mas não durou muito, ele voltou a meter bem gostoso aquela vara grossa de 23 cm em mim. Eu sabia que nunca mais seria o mesmo depois daquilo.
Aproveitando que eu já estava mais relaxado, embora ainda sentindo dor. Ele me deitou de costas e caiu sobre mim. Beijou-me na boca muito gostoso e eu já fui sentindo o pauzão entrando em mim. Ele queria me comer na posição frango assado. Pude ver o rosto dele esboçando feições de prazer. Ele cerrava os dentes e enfiava fundo o pau. Ele segurou meu rosto e me fez olhar pra ele quando ele começou a meter de forma ritmada. O garoto de programa queria ficar me olhando nos olhos enquanto socava a enorme pica em mim.
_ Diz que é gostoso, diz que é gostoso!
_ É gostoso! _ eu murmurei com dificuldade em meio ao louco prazer.
_ Fala meu nome, fala… Fala assim: é gostoso ser comido por você, Alex.
_ É gostoso se comido por você, Alex… _ Ele me olhava de forma dominadora e um pouco agressiva.
_ Diz que eu sou seu macho! Fala, filho da puta!
_ Você é meu macho!
_ Então toma mais pica, minha fêmea!
Ele meteu com mais força, soltando um grunhido bem macho e malvado. Eu gritei de prazer e dor. Ele vibrou e sorriu com uma cara de cafajeste, mexendo o corpo e metendo em mim de um modo bem animal. Ele ficou um bom tempo arremetendo o pauzão dentro de mim, sem deixar de me olhar nos olhos.
Alex ficou socando e socando em mim, dando-me muitos beijos até me fazer gozar ensandecidamente. Eu gozei com meu pau apertado por sua barriga, pois ele estava deitado sobre mim com seu corpo fazendo pressão no meu.
_ Você está gozando? Está gozando? _ ele perguntava quase enlouquecido, com a voz saindo distorcida e metendo sem parar._ Gozou, meu putinho? Então toma minha porra.
Ele saiu de cima de mim, retirou o pauzão de qualquer jeito de dentro do meu cu, direcionou-se para cima de mim, ajoelhando-se à altura do tronco e arrancou a camisinha. Ainda se masturbando, ele direcionou seu pau para meu peito e gozou. A porra esguichou molhando-me todo. Ele esporrou e urrou feito um animal. O garoto estava todo suado e ficou se equilibrando com uma mão na parede. Seu joelho estava sobre meu braço e me machucou um pouco, mas foi delicioso vê-lo sobre mim, esguichando porra como um hidrante.
Depois de gozar horrores, caiu sobre mim e me beijou na boca, mas foi um beijo mais doce, mais leve, mais contido, parecendo um agradecimento.
_ Agora você é um viado mesmo! Você nunca mais vai conseguir dizer que não foi um na cama. _ disse ele, ofegante.
Eu nada respondi. Acho que ele tinha razão.
Ele me ofereceu um banho e eu resolvi tomar. Levei minha roupa para o banheiro, tomei a ducha e me vesti lá mesmo. Quando voltei, ele estava com a sunga, sentado na cama e tinha um copo de refrigerante pra mim, e eu bebi. Ficamos conversando por mais algum tempo e ele demonstrou ter ficado bem aliviado. Comentou com aquele jeito meio tímido que quase tinha acabado comigo. Eu admiti que sim, mas tive vergonha de tecer detalhes. Ele confessou que alguns momentos teve que parar, pois estava quase gozando e seria desastroso ele, um “profissional”, gozar antes.
Chegou a pedir desculpas por, em alguns momentos, ter me tratado como se eu fosse uma puta, mas ele tinha aquele jeito agressivo no sexo e isso até o impedia de namorar caras “certinhos” como eu. Pedi que ele não ficasse falando muito de nossa transa, pois não era fácil pra mim responder aquelas coisas. Ele concordou e contou outras coisas de sua vida, como uma namorada do interior que se engravidou dele quando ele tinha 16 anos. Houve um aborto espontâneo e ele se sentia culpado por ter desejado aquilo.
_ Você não está a fim de papo, não é mesmo?
_ Até gosto sim, Alex, é que estou meio encabulado pelo que aconteceu.
_ Gostou de ser minha fêmea na cama?
_ Para com isso. _ disse eu, sem ser grosseio, mas demonstrando não gostar daquele papo.
_ Você dá gostoso demais, cara. Não há por que se envergonhar. Deixa rolar. Se solta. Você gosta, você é passivo mesmo, não tenho dúvidas disso.
_ Alex… Eu já disse para você parar.
_ Ok. Parei! _ Ele sorriu e fez um gestou de que estava encerrando o diálogo.
A gente se despediu com um beijo na boca e ele me levou até a porta. Quando estava saindo, lembrei-me de que não tinha efetuado o pagamento. Quando fui tirar o dinheiro, ele fez um sinal interrompendo.
_ Você não me deve nada. _ Ele sorriu e fez uma cara meio sacana.
Eu fiquei muito, mas muito feliz mesmo e o abracei.
_ Mas não acostuma não, viu, putinha, é só desta vez. Se tiver outra, você paga.
Fui embora e me senti muito saciado, muito acolhido, muito acariciado. As histórias que eu já tinha ouvido sobre garotos de programa eram diferentes da minha experiência. Acho que tive sorte em encontrar um garoto de programa legal. E olha que não estou falando do dinheiro, pois teria pago sem problemas. Falo da história, do jeito, do carinho, do tesão, do “sacana” que só aos poucos eu pude perceber do que se tratava.
Tivemos mais três encontros e eu dei cada vez mais safado para ele. Era gostoso chegar lá e saber como ia rolar. O pagamento era sempre depois, mas foi cobrado nessas três vezes.
Ao final de uma das transas, ele disse que adorava pensar que havia arregaçado um “quase virgem”. Eu já conseguia rir e achar engraçado.
Falou-me também que fez questão de olhar meu cu no final de nossa primeira transa e ver que eu tinha sido arrombado por ele. “Esse cara vai ficar um mês lembrando de mim só por causa da dor”. Contou-me, se gabando.
_ Eu não estava muito certo de que ia rolar transa no primeiro programa.
_ Ah, qual é, cara! Você sabia que ia levar vara!
Era a forma mais descontraída que a gente falava um com o outro. Nossa, eu estava gostando muito dele.
Fiquei algum tempo sem ligar, mas pensei muito nele e me masturbei várias vezes, imaginando nossa transa. Numa determinada tarde de domingo, sentindo uma tremenda vontade de estar com ele, resolvi ligar…
Ele atendeu e foi gentil como sempre, mas disse que não estava podendo fazer programas. Falou-me de alguns problemas e perguntou se podia retornar a ligação para meu celular. Eu concordei e ele falou que, tão logo estivesse liberado, ligaria, mas antes de desligar disse algo que significou muito pra mim:
_ Heitor (ele falava meu nome de forma muito agradável), procure sair dessa… Você é um cara nota 10 e pode arrumar alguém bem bacana. Tenho receio de que você acabe se machucando. Crie coragem e freqüente o meio. Acredito que encontrará alguém legal como você.
Eu agradeci e me despedi com uma sensação misturada de conforto e tristeza. Parecia uma despedida.
E era.
Passadas algumas semanas, eu voltei a ligar.
O celular estava desprogramado. Fiquei triste por algum tempo, mas entendi que ele estava querendo se afastar daquela vida e não de mim. Eu era apenas mais um. Por algum tempo, fiquei pensando em como poderia reencontra-lo, mas não tinha coragem de ir ao apartamento sem telefonar e marcar.
Aos poucos fui me distanciando da idéia e entendendo que aquela história tinha sido somente para poucos momentos mesmo.
Tenho muita vontade de revê-lo, mas se ele tiver conseguido largar o que o incomodava, fico feliz.
Alex, se você ler este conto, você saberá quem eu sou. Não precisa se sentir no dever de dar um retorno, pois apenas quero compartilhar esse envolvimento técnico e emocional que tive contigo. Você é muito bacana e te desejo grande sorte na vida.
Com carinho,

Autor: Heitor

 

Mundo Mais 

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*