Home / Prive Contos Eróticos / Prive Contos Eróticos – Igor e Renan – A primeira PICA a gente nunca esquece

Prive Contos Eróticos – Igor e Renan – A primeira PICA a gente nunca esquece

Ser menino, ser garoto… começar uma historia é definir o rumo que nós escolhemos, assim desde ao tempo de criança aos dias de adulto definimos nossas escolhas, traçamos caminho e usamos do sentimento como desculpas de nossas escolhas pessoais.


Nem tudo na vida é feita imediato, tudo dependemos de um prazo, o relógio marca e vida se encarrega de nos fazer acompanhar o cronometro das nossas vontades, assim era eu; chamo-me Igor e descobri nesta roda da vida como eram meus medos e desafios.

Desde criança me sentia diferente, meus medos e vontades parecia aguçada numa sociedade cheia de segredos, o menino que crescia parecia não identificar-se quem era, parecia não entender sua identidade, desde pequeno o garoto adorado por sua família, via nas roupas e nos sapatos de sua mãe um desejo ousado para minha idade.


A beleza de um olhar meigo, um jeito diferente afeminado de ser me fazia crescer longe dos campos de futebol da escola, longe de ser querido por meninos e ser tido como o esquisito da sala, era eu, menino franzino de corpo magro, era eu perdido numa escola particular que parecia não me incluir, onde os garotos me viam como inimigo e as meninas como amigas.

O Igor crescia e dentro de mim o sentimento de um menino de 14 anos, que desde os 12 aprendia a se masturbar com filmes pornográficos, mais ao certo não entendia o sentido do sexo, aquilo pra mim era mais um ato, uma situação.

Quando minha mãe saia eu me via em suas roupas, me sentia mais poderoso, era meu jeito se sentir melhor, tirava de mim um peso de ser somente um garoto, mais era algo duvidoso demais pra um garoto, seu salto alto, sua maquiagem, logo o menino foi se perdendo, ou se encontrando.

No auge dos 16 anos eu sentia minha atração, era por um garoto loiro da escola, cabelo bem lisinho caído no olho e magrinho, tinha minha idade e também era comunicativo, não fazia o estilo pegador de muitos da sala, mais era bem mais aceito que eu, bem mais respeitado que eu.

Num destes trabalhos de grupo onde era para ser feito na casa de alguém eu ficava por ultimo como escolha dos lideres, ali caia eu e aquele loirinho, era um sonho me aproximar daquele que me dedicava a se masturbar nos encantos de seu sorriso.

Seu nome era Renan, menino alegre, estilo ao extremo e de pose de uma simpatia sem igual, éramos então colegas do mesmo grupo, nunca conversamos e ali era uma oportunidade de me aproximar dos demais, de tentar ser aceito, mais tudo não passou de um engano, de uma mentira, ficou marcado na casa de Diego, cheguei cedo e logo fui mal recebido, parecia que os garotos e até mesmo algumas meninas me via como um atrapalho, porem não iria mais me abater, não iria chorar as escuras e estaria disposto a me fazer presente.
Logo em atraso Renan chegava, sorrindo com seus lindos dentes branquinho ele me cumprimentava, era um sinal de paz, era algo que poderia mudar o destino de um garoto abandonado em sala de aula, logo o papo do trabalho ficou mais forte e minhas ideias eram expostas, alguns não aceitavam mais eu dava a liberdade e colocava minha opinião, um grupo isolado parecia me desafiar; eu não me deixava levar pelo medo, era eu e eles, cada um a se defender.

A noite chegava, e ali as ideias viravam retrato de uma disputa, as meninas iriam à minha e os meninos como machista faziam de rogados, menos Renan que cedia aos encantos da maioria, e também demonstrava diferente daqueles que tinha apenas beleza, que eram os comedores da sala.

Hora de ir embora estava eu sozinho, logo Renan pra minha surpresa me perguntava se ele poderia ir junto comigo, pois morávamos um pouco perto, alguns garotos começaram a zoar, mais ele parecia não ligar, e juntos fomos, parece que meu papo o fazia ter outra visão sobre mim.

Passando por um lote baldio o papo parecia ir além, ele me perguntava de meninas, parecia entender no gesto, nos comentários da sala minha orientação, parecia estar conquistando algo que já havia planejado, parecia carta marcada.

Aquele garoto me convidava pra cortar caminho por aquele lote, eu estranhava, mais não dizia não, afinal era algo que eu queria, meu corpo e meu sentimento queriam, logo paramos embaixo de uma árvore, não enxergava nada, parecia estarmos no escuro, parecia estar numa situação ousada, somente conseguia ver no final daquele lote uma luz.

Renan parava diante mim, eu já tremia, e logo me dizia que me curtia, que eu era muito especial e bonito, encostando em mim ele pegava na minha mão, eu não sabia como reagir, não entendia nada, meus sentimentos foram ficando confuso, era o garoto que desejei, mais era algo errado, como sempre aprendi meninos tem que gostar de meninas, mais essa não era minha realidade, era agora eu e um garoto, um momento, uma situação.

Ali diante daquele escuro ele tocava em meu rosto, não conseguia falar nada diante do tanto que eu tremia, meus sentimentos e minha mente brigavam comigo, meu corpo queria e logo o que era sentimento se tornava um beijo, era o primeiro beijo de um garoto de 16 anos.

Gostoso, prazeroso e parecia viajar em um conto de fadas, Renan com muito carinho acariciava meus cabelos enquanto sua boca deslizava sobre a minha, enquanto o cheiro, o sexo e a vontade se tornava algo descoberto, lindamente eu sentia caricias, sentia viajar num mundo desconhecido, e curtia aquele jeito de menino a me beijar.

Renan era extremamente meu, sentia e tocava em todo seu corpo, sentia seu jeito e seu sexo, era eu de pau duro, e sentia ele com o tamanho que me tocava, estava louco, era muito bom tudo aquilo, ele dizia palavras de carinho e eu o fazia carinho.

Ele me convidava pra ir para outro lugar, algo mais discreto; ali caminhávamos mais algumas quadras ate chegar a um matagal, era um terreno tomado por mato e árvores, e ali uma construção inacabada, ele me mandava entrar, estava com medo, mais aceitava numa boa, com carinho me abraçando, me beijando, Renan não desgrudava de mim.

Entramos e mal falei algo ele já queria me sentir, tocava meu corpo, e eu louco naquela escuridão estava a mil, meu ânus reagia àquela vontade e eu curtia, logo naquela casa abandonada era nosso momento, ele então me beijava tirando minha roupa, sentindo todo o calor do meu corpo e ali ele também ficava pelado, éramos abandonados numa escuridão a curtir.

Minha primeira vez se tornava algo estranho, místico, mais gostoso, ele beijava muito bem, e seu volume parecia ser realmente diferente, logo sua mão conduzia a minha naquele volume que antes era imaginado, estava duro, grosso, algo diferente do meu, afinal tínhamos a mesma idade, mais seu objeto de prazer era maior, era mais grosso, então foi que ele me surpreendia e em um beijo e outro ele descia sobre meu corpo, e logo fazia do meu pau um pirulito a ele provar;

Renan pagava um delicioso boquete pra mim, nunca senti tanto desejo, gemia sem pudor, e ele sabia o que estava fazendo, sua rola deslizava sobre meu membro, e eu sentia aquele viajar de um sexo.
Eu em pé e ele se ajoelhava, mamando gostoso ao mesmo tempo em que suas mãos acariciavam minha bunda, meu anelzinho antes virgem agora era descoberto, ao mesmo tempo seus dedos parecia conhecer o canal do prazer, e meu corpo o gosto de sua boca.

A vontade era um misturar de um sexo, e assim ele então se levanta, me manda em beijos fazer o mesmo nele, eu tremia, minha mão parecia não conseguir responder, mais logo segurava aquele volume grosso, era uma pica cheirosa, algo muito gostoso que assim se fazia presente na minha boca, eu tinha ali a primeira rola colocada na minha boca, e com muita calma e carinho ele me ensinava como proceder, e eu atentamente seguia seus passos em ouvir de gemidos.

Eu no começo estava tímido, mais logo a grossura de sua pica me fazia sair do meu corpo, eu viajava e minha boca navegava naquela geba grossa, os garotos que antes não se falava na sala agora estava numa casa abandonada a se pegar, estava se conhecendo, e um trabalho de escola se transforma em uma aula de sexologia.

Hummmmmmm; honestamente era algo muito além do que imaginava o tremer de meu corpo deduzia o gosto de sua pegada, de joelhos no chão meu cabelo era acariciado, ate o forçar de o meu engolir, ele queria me fazer sentir todo aquele volume na minha boca, mais em anciã parecia estar se conhecendo, sabendo dos meus limites.

Puxando-me ele me fazia ficar de pé, logo me colocava contra a parede e me beijava, seu cabelo liso ao extremo, seu corpo loiro e sua pele de garoto me levavam a ir adiante, de me descobrir, de subir em um salto sexual, ele então dizia querer-me “comer” palavra forte mais prazerosa, então me pedia pra ficar de quatro, e segurando na parede, eu obedecia, e tinha ali de bunda empinada a ser beijada, em si meu cuzinho, o instrumento nunca mexido era acariciado pela primeira vez.

Renan sabia como fazer, me pedia calma em todo momento, me beijava em todo momento, respeitava meu corpo e dizia que era algo bom pra ambos, logo era colocado diante daquele buraquinho apertado àquela rola grossa, e eu a me mexer, com muito medo, parecia algo diferente demais, algo errado, apesar de ser algo que sempre quis desde garoto, era a menina que encanava em mim.

A penetração se tornou dolorida demais, tensa demais e eu não aguentava, ele parava me abraçava e com muito amor me mandava segurar firme, que a dor era apenas no começo, em respeito ao nosso desejo eu seguia, e em um bom tempo ficou na tentativa, mais era pra ser, o tempo havia escrito isso, era a descoberta.

Meu cuzinho então era penetrado pela primeira vez, e Renan me fazia se entender, sua pica deslizava, seu corpo encostava ao meu com muito respeito e a dor se transformava em prazer, em um sexo que fazia chorar mais de felicidade, era o sexo, o sentimento que sempre nunca entendia em mim mesmo.
De quatro e com a bunda empinada, segurando numa parede fria eu gemia, me conduzia ao auge de uma pegada, me levava ao sexo de uma situação, sentia algo quente, grosso e grande entrar e sair de dentro do meu anelzinho hoje não mais virgem, era dor e prazer, era eu encarrando a macho de se entregar a outro macho.

Um acasalamento gostoso, um entrar e sair que me fazia suar, sentir a suas mãos segurar em minhas ancas e socar com gosto, o que antes era feito com receio agora era feito com verdade, com batidas de um fuder jovem, com batidas de dois corpos e eu ali, jogado numa construção baldia liberando meu cuzinho pra um garoto da minha sala.

Eu e ele nos conhecíamos em um tremor de sexo, ele dizia que meu cuzinho era uma delicia e eu me entregava em palavras, sua rola era uma conquista, sua vara era muito além de um pegar, de um meter, era a magia de um comer.

Renan me mandava então sentar na sua rola, e ali, diante daquele chão sujo o via se jogar, e eu a sentir em seu colo a ter meu cuzinho engolir cada milímetro de sua pica, e eu fazendo movimentos de ir e vir, de gemer e gritar, de sentir dor e de se arrombar.

Ali eu me colocava diante de uma deliciosa rola, de um belo e gostoso garoto, estava sentado e com movimentos de vai e vem sentia seu sexo entrar em mim, rola grossa, suor e um prazer ao escuro, deliciosamente o primeiro e melhor de sexo de toda minha vida, ou não…

Era gostoso sentar naquela geba grossa, era uma delicia ser abraçado pelo garoto que sempre desejei, era ele, muito além de um momento, de um sexo era ambos se curtindo, gemendo e se fazendo meter.
Meu cuzinho parecia estar totalmente aberto, rasgado pra uma descoberta que meu coração queria sentir, para um sentimento de prazer, de ousadia e de um sexo gostoso, era eu e aquele menino, éramo-nos a transar, ele sabia o que estava fazendo, e eu ali sentando em seu cacete gemia, me perdia.
Sentia sua pica, meu anelzinho estava ardendo com seu sexo dentro de mim, meu cuzinho sentia o prazer de ser aberto, comido e enrabado por um garoto; aquele sexo se transformava em momentos a dois, ali eu novamente levantava, ele me colocava deitado naquele cimento, era um local meio sujo, mais não me importava, colocamos uns papelões e ali me deitei.

Meu pé apoiado em seu peitoral, era eu ali tendo aquele homem diante de mim, sua pica estava começando a entrar, e logo o arrombo estava feito, era eu numa posição de frango assado, gostosamente assado… eu sentia o introduzir de sua pica no meu ardido cuzinho, e ele a meter, confesso que era uma sensação ousada e única, eu era possuído, curtia muito e gemia ainda mais alto a posição que me fazia se render ao seu meter.
Suas mãos apoiada em minha perna, seu gemer, seu suor, era nos dois ali, naquela casa abandonada, era-nos a se conhecer, se entregar e juntos a ousar, ele metia muito forte, suas estocadas estralava, meu cuzinho parecia receber com folga aquela geba gostosa e eu a gritar de prazer.

Nossa transa foi diferente, beijos, caricias e momentos que me fazia refletir, sentir o gosto de um sexo que nunca tive coragem, e melhor, um desafio pois era o garoto de um desejo, loiro e bonito Renan demonstrava que pela idade o sexo não era mais um tabu pra ele, mais sim pra mim, que agora se perdia, se pervertia.
Logo nosso sexo se transformava em despejar de seu gozo, era Renan a gozar dentro do meu cuzinho, e eu a sentir o derramar de uma porra quente dentro de mim, deliciosamente a liberdade era maior e prazer se transformava em uma meleca sexual.

Meu cuzinho estava cheio de sua porra, e enquanto cada gota derramava dentro de mim sua boca me beijava, e meu corpo sentia o sentimento, aquele prazer aumentava, mais também estava no fim, afinal nosso sexo perderá de vista o horário.

Em segundo o sexo terminava, eu continuava naquela posição e minha perna começava a sentir a dor da situação, ali me beijando ainda ele começava a se levantar, estávamos cansados, e ai, caímos na real, não conseguia ver muita coisa, rimos da situação, se abraçamos e se beijamos, o conto de fadas pornô estava acabando, ele dizia que curtiu bastante nosso momento e ali íamos pra casa.

Naquele caminhar ninguém falava mais nada, eu sentia uma dor, mais um alivio minha consciência com aquela descoberta, Renan parecia quieto e andava ao meu lado de boa, logo ele virou a rua e eu chegava em minha casa, ao abrir a porta minha mãe brava a brigar devido o horário, mal sabia o que havia acontecido, eu aliviado, andava e estava nas nuvens, subi e logo fui para o banheiro tomar meu banho, ali a agua caia e eu revivia aquele momento, revia em minha mente cada situação daquele sexo, e ali batia uma punheta diante daquele momento.

Ir dormi era realmente muito prazeroso, parecia viajar naquela cena de sexo e de prazer, meu corpo levitava e meus sentimentos se confundiram pensar em Renan e em tudo o que havia acontecido era uma descoberta de meus medos e sonhos.

Logo pela manhã eu estava indo a aula navegando em descobertas, em um sexo prazeroso da noite passada e diferente, resolve renovar meu visual e sair da mesmice, mudar o penteado e me reciclar, mudar sem medo.

Renan parecia estar muito feliz, veio até mim, disse que eu estava bacana e logo me levou ao grupo dos meninos, eles estranharam mais me aceitaram e durante todo este tempo ele me fez ser mais presente, ser mais amigo de todos.

Depois desta primeira transa eu me descobri, me fiz refletir e o garoto virava também igual a todos, roupas fui mudando, comportamento, era a forma de Renan me fazer se sentir melhor, e nas noites o garoto era mais uma menina com seu macho, era eu e ele a se entender, se compreender da melhor forma possível. Hoje o garoto não veste mais roupas de sua mãe, ousa sem medo e leva do primeiro sexo a experiência de uma mudança, pois o garoto virou adolescente, e a vida me ensinou a ser eu mesmo, sem receio de acreditar nos meus desejos.

O garoto virou homem, e agora tem situações, tem visão e sabe o quanto a vida cobra nossa formas de agir, eu aprendi muito, ousei muito e confesso viver e fazer minhas escolhas me fez crescer, então deixo ao leitor a mensagem de reflexão, não tenha medo, faça de você um grande vencedor de seus medos, faça de seus mitos o sentimento de descoberta.

Não tenha MEDO – pois na vida se descobrir é mais um passo para o sucesso pessoal.
#FIM

Autor: Escritor Danyel
Skype – EscritorDanyel

Revisão do Texto – Leandro Santos
rapazmaneiro1@hotmail.com
********************************************************
Acesse:
WebGroup – Cabaré Gay
https://www.facebook.com/groups/entreamigoswebgroup/
www.escritordanyel.blogspot.com

 

Mundo Mais 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*